Segunda-feira, 3 de Setembro de 2012
Produzir mais e falar menos

Lê-se nos jornais, e principalmente somos bombardeados na TV, por afirmações ditas por pessoas com responsabilidades, sejam elas sindicais, empresariais, jornalísticas, políticas ou outras, de que não admitem a austeridade e exigem aumentar o consumo, embora nunca digam como isso será concretizável.


Também se acrescenta a isto o protesto pelo fecho de restaurantes e empresas de construção civil que exigem do governo medidas para voltarem a ter clientes obviamente à custa de dinheiro emprestado, também nunca explicando como foi possível haver tanta oferta para tão pouca sustentabilidade e tudo isto totalmente previsível.


Curiosamente quando após a entrada na CE se iniciou a escalada de despesismo simultaneamente com a destruição dos meios de produção que tinham escapado à fúria esquerdista do PREC, nunca vimos estas entidades, que agora tanto protestam contra a correção em curso, protestarem contra os desmandos que levaram o País à beira da bancarrota.


O que significa que, das duas uma: ou estavam distraídos por ignorância ou por ganância.


O mesmo se passa por exemplo com os automóveis: queixam-se os vendedores de não haver medidas do governo para aumentarem as vendas. Será que não perceberam que sendo quase todos os carros importados, não há dinheiro para mais importações?


Na verdade o que nós mais precisamos é produzir para podermos exportar mais e importar menos, pois só quando tivermos mais exportações que importações, poderemos não só pagar o que devemos mas também passar a progredir de forma sustentada.


Portanto o que é de facto preciso é produzir mais. E produzir o quê?


Não mais produtos baratos que concorrem com os de países com mão de obra baixíssima, normalmente governados por governos de esquerda que não respeitam as liberdades essenciais dos trabalhadores, mas produtos de elevada qualidade tanto sejam eles alimentares ou de vestuário, ou outros, o que pressupõe reorganizar a nossa distribuição, cujo sistema atual favorece mais a importação que a produção nacional.


Uma das atividades exportadoras que foi durante muito tempo mal tratada é o turismo como se pode avaliar pelos disparates realizados por exemplo no Algarve com o Sol e praia e o ALLgarve de triste memória, com a predominância do baixo nível que originou os descalabros ambientais de quase todos os municípios algarvios e o aumento desastroso da sazonalidade.


É claro que muitas atividades empresariais competitivas que tínhamos e que foram destruídas durante o PREC e o governo de Cavaco Silva, desde metalo-mecânicas a empresas de navegação implicavam a existência de capitais elevados e interessados em produzir e não apenas em jogos de bolsa e apostas financeiras que se tornaram moda a partir dos anos 80, e agora para voltar a estas atividades serão precisos muitos anos e existirem tais interessados. A menos que estes venham de fora e que substituam as elites que desapareceram.


Quando se fala em competitividade e se afirma que é preciso reduzir em 10% os salários em Portugal, provavelmente porque não nos é possível desvalorizar a nossa moeda como foi feito em tempos idos, convém recordar que a competitividade dum país depende certamente dos salários mas também de outros fatores da produção como são os custos da energia, da água, dos transportes, do funcionamento do Estado (que tantas vezes não paga atempadamente os seus fornecedores, que tem uma Justiça pouco eficiente, que tem sistemas burocráticos deficientes, que demora as decisões económicas excessivamente, etc.), os custos das matérias primas e dos terrenos e por fim do fator por ventura mais importante: a qualidade da gestão praticada ou seja dos seus gestores.


Sem esquecer a eliminação urgente de todos os custos parasitas que foram desenvolvidos pelo poder político de algumas corporações que originaram gastos excessivos às famílias e às empresas como os livros escolares, alguns transportes, os intermediários da pesca e da agricultura, etc.,etc..

Mas há que intensificar a agricultura, a piscicultura e a pesca na condição prévia e essencial de reestruturar a distribuição eliminando os intermediários que desde há muitos anos têm estrangulado a produção e favorecido a importação, aliás como atrás foi mencionado, mas que não é demais insistir, dada a sua importância económica e social.

E dinamizando a regulamentação e respetiva fiscalização de forma a favorecer os que produzem bem e eliminando os que produzem mal e/ou que não permitem a produção.


E entretanto ir eliminando todos os entraves burocráticos à formação de empresas e acabando com o péssimo hábito da necessidade sistemática de ter a assinatura do poder discricionário de membros do governo ou das autarquias em vez de regulamentos bem estruturados e fiscalização competente e atuante quando houver transgressões.


Na verdade verifica-se entre nós nada acontecer quando algo é mal realizado nunca havendo os responsáveis respetivos, mas para se obter uma decisão os prazos atingem anos e anos.


E quando finalmente se decide o que estava previsto nada aparece de imediato. Veja-se o exemplo do Alqueva.

E considere-se os milhares de postos de trabalho que ainda não há e que deveriam já ter sido criados. Haverá alguém responsabilizado por tal absurdo?


No entanto o que se fala, num diz tu digo eu digno de vizinhas com pouco que fazer, constitui um espetáculo deprimente que mina a esperança de melhores dias, principalmente daqueles que não têm emprego e querem trabalhar e que continuam à espera que os responsáveis – sindicalistas, empresários, jornalistas, cidadãos atentos e políticos- se resolvam passar a adotar princípios de gestão eficientes e porem de lado interesses estranhos e voláteis, a fim de se permitir as próximas gerações progredirem cá em vez de terem que emigrar.


Para terminar uma nota otimista: estão em andamento decisões essenciais ao desenvolvimento de atividades ligadas ao Mar e à Agricultura que possibilitarão a criação de milhares de postos de trabalho e além disto contribuírem para a mudança de atitude em relação ao trabalho produtivo que tão mal foi tratado nestas últimas décadas, incluindo por aqueles que agora tanto protestam na rua como se não vivêssemos em democracia e não houvesse um Parlamento eleito.


Lisboa,28 de Agosto e 2012

 

Publicado no DN em 3 de Setembro de 2012



publicado por JoseViana às 22:15
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Dezembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


posts recentes

Afinal o que é a Marinha ...

2017-10-19. Um desabafo t...

A Catalunha e uma confusã...

A austeridade e as confus...

Turismo: atividade económ...

As ausências de Portugal ...

Alguns esquecimentos impo...

Atenção eleitores, temos ...

Como baixar a abstenção

O Forte de Peniche e a ve...

arquivos

Dezembro 2017

Outubro 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Março 2017

Janeiro 2017

Outubro 2016

Setembro 2016

Junho 2016

Maio 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Contador de Visitas
blogs SAPO
RSS