Sexta-feira, 7 de Dezembro de 2012
Cumprir Portugal com certeza, mas como?

Cumprir Portugal é uma frase que lembra logo Fernando Pessoa.


A um poeta no entanto ninguém se preocupa em perguntar-lhe como é que ele seria capaz de atingir tal objetivo, nem a analisar outras afirmações que tenha apresentado sobre este tema.


Mas quando a mesma frase sai da boca de um Primeiro  Ministro a situação é exatamente inversa, pois espera-se que ele explique como é que está previsto e planeado o caminho para tal objetivo ser atingido.


E então numa ocasião como a atual em que o País se debate com uma crise iniciada há cerca de trinta anos, que resultou em grande parte da destruição durante este período de uma parte importantíssima do nosso aparelho produtivo e de segurança, como foi o caso da Marinha (entendida como o conjunto da Armada e das Marinhas de Comércio, de Pesca e de Recreio), de indústrias metalo-mecânicas?


E obedecendo ao que está estipulado na nossa Constituição (e que parece ninguém querer alterar) contra a existência de grandes empresas só se fala em PMEs, e ainda ao facto de algumas das poucas empresas que ainda restam com alguma dimensão estarem agora à venda a compradores estrangeiros?

Depois do trabalho brilhantemente realizado pela “Missão para a extensão da plataforma continental” podemos ter ao nosso dispor uma enorme potencialidade de riquezas nos fundos e no subsolo do “nosso” Atlântico.

Mas para isto ser possível é indispensável termos empresas portuguesas como por exemplo em Marinha de Comércio, no fabrico dos equipamentos necessários à exploração dos fundos do oceano, no tratamento das matérias primas e na sua transformação em produtos comerciais. Todas empresas grandes.


Aliás nada disto é novo pois pelo menos a partir de 1984 tanto na Academia de Marinha como na Sociedade de Geografia foram estes assuntos levantados e discutidos.


Diga-se de passagem sem qualquer manifestação de interesse pela maioria esmagadora dos responsáveis políticos e corporativos.


E agora assistimos a serem empresas estrangeiras que vêm explorar minérios, comandar a produção de energia, transportar os turistas que nos interessa receber. Etc etc. e até empresas portuguesas de elevada dimensão mudam as suas sedes para outros países porque o nosso não dá condições operacionais aceitáveis, criando assim um novo conceito que é a auto-colonisação.


Temos enormes potencialidades de criação de postos de trabalho na Marinha de Recreio e em reuniões recentes ficou patente que o maior obstáculo a este desenvolvimento é o Estado, ou seja na prática o Governo por não tomar a decisões necessárias.


Perante tudo isto temos que perguntar ao Senhor Primeiro Ministro: como é que decide resolver este impasse?


Ou iremos assistir a um novo e enorme mapa cor de rosa?


E depois, naturalmente, culpando a Srª Merkel e a Europa de não nos darem tempo para nos prepararmos devidamente.


Lisboa, 28 de Novembro de 2012

 

Publicado no DN em 7 de Dezembro de 2012

 



publicado por JoseViana às 12:58
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


posts recentes

A Catalunha e uma confusã...

A austeridade e as confus...

Turismo: atividade económ...

As ausências de Portugal ...

Alguns esquecimentos impo...

Atenção eleitores, temos ...

Como baixar a abstenção

O Forte de Peniche e a ve...

Agora é preciso crescer!

Um referendo e a falência...

arquivos

Outubro 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Março 2017

Janeiro 2017

Outubro 2016

Setembro 2016

Junho 2016

Maio 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Contador de Visitas
blogs SAPO
RSS