Terça-feira, 5 de Novembro de 2013
O grande equívoco da independência nacional

A polémica levantada pela eliminação do feriado 1º de Dezembro chama a atenção para o título deste artigo. E porquê?


Para responder a esta pergunta importa analisar em que consiste a independência nacional, isto é, como ela se desenvolveu e se consolidou e portanto quais os perigos atuais para a sua manutenção.


É sabido que a principal motivação para uma população querer ser independente, e isto é verdade não só para países mas também, por exemplo, para autarquias, é poder defender os seus interesses com mais eficiência do que depender de um poder afastado ou apenas distraído por outros preferidos.


Também existe outro fator não menos importante que é determinado pela ambição do detentor do poder em desenvolvimento nessa população, a quem logicamente interessa não depender demais do exterior mas antes de si próprio.


Quando de formou o Condado Portucalense em que o seu chefe tinha a ambição natural de aumentar o seu território é óbvio que ele pretendia ser independente mesmo antes da população correspondente começar ela própria a desenvolver a consciência da sua identidade nacional.


É claro que o nosso primeiro Rei constatou de imediato a existência de um fator essencial à sua estratégia de crescimento que era o Mar, até porque do lado interior havia outros reinos em desenvolvimento paralelo que aconselhava a dar prioridade à solução marítima. Ainda por cima reforçada pelo facto de através do mar poder receber reforços essenciais às suas campanhas militares de expansão territorial.


Após a ocupação do território a preocupação independentista virou-se para as pressões vindas do interior no sentido da absorção pelo grande estado aí em formação e a resposta teve que ser outra vez pelo mar através das ligações com o norte da Europa e com o início da expansão marítima oceânica que originou a epopeia dos descobrimentos marítimos, em que Portugal desempenhou o papel de ponta de lança da expansão da Europa, expansão esta que praticamente já acabou, como se pode constatar pelos acontecimentos destas últimas décadas.


Foi depois do reinado do rei D. Dinis que se pode afirmar começar a haver a formação de uma consciência nacional mas só depois dos descobrimentos ela ficou expressa por Camões nos Lusíadas. E como sempre à volta do mar e portanto da marinha.


Depois dos reinados do reis Filipes, que tinham sede em Madrid, Portugal com ajudas poderosas de reinos estrangeiros interessados em combater a influência da Espanha, conseguiu novamente a independência, mas as crónicas dizem-nos que houve muitas povoações que tiveram que ser “convencidas” a aceitar o rei português com alguma veemência.


Aliás estas particularidades locais verificaram-se mais tarde, como aconteceu com o episódio passado como rei D-Luis quando, perguntando aos tripulantes de um pesqueiro que se cruzou ao norte do Porto com o seu iate, se eram portugueses ou espanhóis, teriam respondido que não. Isto é, que eram poveiros.


Porque de facto o nosso poder central nunca cuidou convenientemente da educação da população. Principalmente da que mais afastada está de Lisboa.


A partir do início do século XIX ficámos quase sem marinha e assim também com a nossa independência muito reduzida que só viria a ser melhorada durante a vigência da ditadura salazarista, a qual no entanto acabou por, através dos erros na gestão do ultramar e de não ser capaz de se adaptar ao sistema democrático de governação, de originar uma revolução que abriu o país á liberdade mas que destruiu a sua marinha e obviamente a sua capacidade de ser independente.


Em resumo aqueles que agora tanto clamam por se acabar com o feriado do 1º de Dezembro, e estas vozes têm origens das mais diversas cores poIíticas, nunca clamaram contra a destruição da nossa marinha, nem fizeram qualquer esforço para se alterar o rumo de colisão em que estamos a navegar há pelo menos quarenta anos.


Porque é essencial toda a gente entender que a independência se consegue desenvolver e manter com atividades produtivas essenciais, e no nosso caso a marinha foi e é a principal, e não com comemorações e discursos.


Lisboa, 8 de Fevereiro de 2012

 

José Carlos Gonçalves Viana



publicado por JoseViana às 12:24
link do post | favorito

Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

16
17
18
19
20
21

22
23
25
26
27
28

29
30
31


posts recentes

2017-10-19. Um desabafo t...

A Catalunha e uma confusã...

A austeridade e as confus...

Turismo: atividade económ...

As ausências de Portugal ...

Alguns esquecimentos impo...

Atenção eleitores, temos ...

Como baixar a abstenção

O Forte de Peniche e a ve...

Agora é preciso crescer!

arquivos

Outubro 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Março 2017

Janeiro 2017

Outubro 2016

Setembro 2016

Junho 2016

Maio 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Contador de Visitas
blogs SAPO
RSS