Segunda-feira, 27 de Fevereiro de 2012
Que Estado queremos?

Para começar talvez fosse preferível o título ser “Que Estado podemos querer?”

 

Mas vamos analisar com um exemplo simplificado como se articula o Estado com a população, e depois logo se discutirá a resposta à pergunta do título.

 

Imaginemos um país com a seguinte distribuição da sua população:

Total  10 milhões

Menores de 19 anos  2 milhões

Maiores de 70 anos  2 milhões

Deficientes   0.5 milhões

Desempregados  0,5 milhões

Ativos  5 milhões, destes 700 000 são funcionários do Estado e 200 000 são empregados em empresas do Estado que prestam serviços a toda a população.

 

Todos estes ativos e os maiores de 70 pagam impostos como IVA, IRS, ISCombustíveis, etc e ainda os bilhetes ou os passes e as taxas relativas aos serviços recebidos como sejam, por exemplo, os transportes. No entanto alguns destes serviços têm que ser subsidiados de forma a que o seu custo seja compatível com a capacidade financeira de muitos utentes com salários baixos. Tal como acontece também com a Saúde.

 

Outra origem de fundos para o Estado são os impostos sobre as empresas como o IRC, os valores cobrados por concessões e outros, mas há ter atenção ao facto de esta ser uma zona de atividade propícia à fuga de impostos tanto maior quanto mais altos eles forem e será porventura nesta área que se verificam as elevadas quantias passadas para “off-shores”.

 

O Estado tem que pagar os custos operacionais e de investimento relativos à segurança nacional, como são as Forças Armadas, a PSP e a GNR, os Bombeiros, à Justiça, à Educação e à Cultura,  ao funcionamento dos restantes ministérios e ao pagamento das pensões justas, mas tudo isto com a preocupação da máxima eficiência, isto é, insisto, sem custos parasitas.

 

Os fornecimentos essenciais como a água, a eletricidade, as comunicações deverão ser pagos na base de utilizador –pagador, serem competitivos, e pesarem pouco ou nada nas despesas do Estado e serem otimizadas para não pesarem demais nas despesas dos cidadãos.

Isto significa, de forma aproximada, que cerca de 4,1 milhões de portugueses têm que criar riqueza suficiente todos os anos para pagarem de impostos ao Estado uma importância que chegue para este pagar todos estes encargos mais as dívidas do passado.

 

Por outro lado temos que recordar que o famigerado PIB-produto interno bruto, não é só por si sinal de riqueza pois esta só existe se a nossa produção total for maior que o nosso consumo.

E como isto não acontece desde há muitos anos, diga-se de passagem, perante a passividade de quase todos os cérebros brilhantes que nos têm governado e dado palpites, chegámos agora a esta situação de aflição económico-financeira.

 

Mas para produzir mais temos que ser competitivos e para isso não podemos pagar impostos mais altos que os nossos concorrentes nem pagar os consumos essenciais mais caros. A ideia de que só se é competitivo com salários baixos é totalmente errada, pois a competitividade depende essencialmente mais da qualidade dos gestores e dos trabalhadores, e só nos casos de produtos de baixo valor acrescentado o salário baixo é relevante.

Assim só há um caminho a seguir: reduzir ao mínimo indispensável todos os custos que correspondam a trabalho não produtivo a começar aos mais altos níveis (estou a pensar nos custos da Assembleia da República, da Presidência da República, dos Gabinetes dos Ministros, dos membros de conselhos de gestão de empresas e de Fundações  e outras mais).

 

Além destes aos mais altos níveis, temos todos os que trabalham no setor público e auferem salários que não correspondem ao que produzem obrigando assim a aumentar os impostos e/ou a dívida, e ainda há a acrescentar a esta lista as reformas exageradas e injustas que foram sendo atribuídas mas que não podem continuara a pesar no deficit nacional em face das necessidades de ajudar os menos beneficiados.

 

É claro que todos estes excessos correspondem a direitos adquiridos, tenham sido eles por ações corporativas ou por simples compadrio político ou pessoal, mas se queremos ser solidários e justos há que eliminá-los.

Não só por ser uma poupança grande mas tanto ou mais importante como exemplo que ajude uns milhões da população, que têm apenas algumas magras centenas de euros por mês para tentarem sobreviver, a compreender a necessidade deste aperto que se deseja curto e produtivo.

Obviamente esta redução do pessoal afeto ao Estado vai aumentar o número de desempregados pelo que há que encontrar soluções práticas e rápidas para criar postos de trabalho que eles possam ocupar o que implica grande esforço de adaptação que, aliás, é condição indispensável para garantir a sobrevivência, pois é disso que estamos todos a tratar.

 

Aliás esta moralidade deve atingir também todas as empresas do Estado onde se verificam situações intoleráveis de desigualdade e de abuso de poder corporativo com manifesto prejuízo para as contas do Estado e para a vida dos seus utentes.

 

Na criação de postos de trabalho tem que se ter a noção de que o trabalho é um direito mas também é um dever e que se se quiser garantir o pleno emprego se corre o risco de perder alguma liberdade como foi exemplo países comunistas.

 

É urgente, urgentíssimo criar estruturas que permitam integrar os jovens que vão acabando os estudos, que seria desejável os preparassem melhor para a vida, de forma a evitar caírem na vadiagem e até na marginalidade dando-lhes ocupação útil e preparação prática. Só na agricultura, que tanto precisa de ser recuperada, e na recuperação das zonas urbanas e no repovoamento do interior desertificado há lugar para muitos milhares.

 

Mas voltemos ao  Estado que queremos.

Se ele continuar a ser pesado sem resolver estas problemas atrás indicados é a bancarrota garantida.

 

Se a austeridade for correta, que ainda está longe de ser como vimos, se forem criadas as condições de competitividade indispensáveis e conforme formos cumprindo as metas fixadas forem adaptados os impostos, diminuindo os tetos para aumentar a totalidade das receitas, que é o objetivo essencial, poderemos desenvolver mais empresas privadas que absorvam os excessos saídos do Estado e assim não só sairmos da crise mas ganharmos balanço para termos uma vida sustentada sem dependências de credores ….

 

Resumindo e concluindo:

 

Queremos um Estado que funcione eficientemente, com uma estrutura menos cara, isto é, sem custos parasitas, o que aliás está incluído no memorando assinado com a “Troika” mas cuja indispensável reforma não só ainda mal foi iniciada, como já está a ser prejudicada com as nomeações recentemente decididas.

 

Queremos um Estado que tenha os principais responsáveis pelos Órgãos de Soberania,  pelas Autarquias e pelas Organizações Corporativas dando o exemplo de austeridade tanto a nível pessoal como a nível das instituições, não só porque assim se pouparão muitos milhões de euros mas também porque o seu exemplo ajudará a população  a suportar os sacrifícios e a colaborar melhor.

 

Lisboa, 1 de Fevereiro de 2012

 

Publicado no DN em 27 de Fevereiro de 2012



publicado por JoseViana às 13:10
link do post | comentar | favorito

Sexta-feira, 3 de Fevereiro de 2012
Sotavento adiado-I Caso de Tavira

Desde há vários anos que venho defendendo a necessidade e o interesse no desenvolvimento náutico do país em geral e do Sotavento em particular, com resultados práticos quase nulos.

 

O primeiro município que estudei foi o de Tavira pela razão simples de ter raízes familiares nesta cidade, passar todo o tempo disponível aqui e até ter sido durante quase dez anos nela residente.

 

Em 2004 apresentei no congresso do Racal uma comunicação sobre o desenvolvimento do Sotavento onde sugeri o estabelecimento de cerca dez mil postos de amarração, dos quais 2000 seriam em Tavira.

 

Como é sabido a maior riqueza potencial desta cidade é o conjunto das atividades marítimas que é possível praticar aqui, quase todas elas passíveis de usufruto todo o ano, com excepção do sol e praia que não chega a dois meses de prática, do golfe e de atividades  culturais e desportivas ligadas ao património e à serra, e ainda da capacidade muito mal aproveitada da produção agrícola aliás essencial para contribuir para a maximização do valor acrescentado do produto turístico.

 

Durante muito anos os nossos responsáveis davam a ideia de que só conheciam o sol  e praia, esquecendo-se de que o turismo no Algarve se iniciou exatamente ao contrário, quando os ingleses vinham passar os meses de Outubro a Março e não no verão, esquecimento este que levou ao desenvolvimento de estruturas imobiliárias de baixo nível de qualidade e a taxas de sazonalidade elevadas.

 

A prática do golfe veio diminuir esta anomalia mas para diminui-la ainda mais, ou até eliminá-la, a única  solução era e é o desenvolvimento das atividades náuticas, o que não exclui as outras atrás indicadas.

 

Assim foram apresentadas aos autarcas tavirenses várias sugestões concretas e realizáveis desde há quase duas décadas.

 

Durante a gestão do Sr Eng Macário Correia, seguindo a política anti-mar do seu partido PSD nessa época, nunca se conseguiu qualquer iniciativa neste capítulo.

 

Durante as últimas eleições dei todo o apoio que pude ao candidato do PS, Dr. Jorge Botelho, tal como tinha dado ao seu antecessor eng Fialho Anastácio nas anteriores, porque ele me mostrou interesse real nesta melhoria essencial para combater o desemprego e fortalecer a vida económica da autarquia ou seja dos Tavirenses.

 

Para concretizar estas ideias foram apresentados publicamente os ante projetos  que garantiriam a Tavira uma redução relevante da taxa de sazonalidade, a criação de postos de trabalho e uma contribuição efetiva para a educação náutica da população em geral e da juventude em particular, o que é vital para se obter a máxima qualidade do produto turístico náutico.

 

Mas nada aconteceu até agora. Todas as tentativas para colaborar com o atual Presidente da Câmara de Tavira tem sido frustradas e não se pode dizer mal recebidas, porque nem sequer o foram de todo.

 

Dois anos já se passaram. O desemprego continua a subir. Quanto a iniciativas concretas para inverter este situação: nada.

As recomendações expressas pela EU ainda há alguns dias em Lisboa são no sentido do desenvolvimento náutico, certamente muito direcionadas para Portugal pois é de facto o país europeu com maior atraso nesta matéria mas até agora nem o Governo nem as Autarquias mais apropriadas para este desenvolvimento têm mostrado interesse e iniciativas concretas.

E após 12 anos de anti mar parecia que os votos de mudança foram claros. Mas nada mudou, pelo menos até agora. Porquê?

Não é de certo por falta de dinheiro, porque a maior fatia de investimento deverá ser realizada por privados e a que cabe à Autarquia não só é reduzida mas segundo foi anunciado na reunião de Lisboa terá ajudas comunitárias, se houver apresentação de projetos.

 

Então o que se passa com a Autarquia de Tavira?

 

Entretanto a cidade definha, os jovens têm que procurar trabalho fora, a reorganização indispensável da Autarquia com vista a reduzir custos e aumentar a competitividade  dos Tavirenses é adiada e a população e os políticos locais entretêm-se a dizer mal da “troika” mas nada fazem para contribuir para alterar a situação que esteve em grande  parte na origem desta crise.

 

É tempo para que os responsáveis pelos destinos da Autarquia mostrem que são capazes de mudar o rumo em que vivemos nestes últimos vinte anos e transformem esta maravilhosa cidade num local desenvolvido e sustentado onde se elimine o desemprego e a emigração dos jovens.

 

Tavira, 13 de Dezembro de 2011

 

Publicado no Postal do Algarve em 3 de Fevereiro de 2012



publicado por JoseViana às 13:22
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Julho 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


posts recentes

A austeridade e as confus...

Turismo: atividade económ...

As ausências de Portugal ...

Alguns esquecimentos impo...

Atenção eleitores, temos ...

Como baixar a abstenção

O Forte de Peniche e a ve...

Agora é preciso crescer!

Um referendo e a falência...

Energia vs água: mais doi...

arquivos

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Março 2017

Janeiro 2017

Outubro 2016

Setembro 2016

Junho 2016

Maio 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Contador de Visitas
blogs SAPO
RSS