Sexta-feira, 15 de Junho de 2012
Europa: renovada ou em extinção?

Todos os povos ou civilizações evoluíram sempre condicionados pela atuação das suas lideranças e das interações com os outros povos e com as alterações naturais.


Sempre que esta atuação não foi a apropriada para resolver os problemas surgidos numa crise, essas civilizações extinguiram-se e foram substituídas por outra ou outras, e assim se foi fazendo a História da Humanidade.


A Europa encontra-se agora numa situação típica extrema que justifica esta abordagem.


Ao contrário do que muita gente responsável, ou melhor com responsabilidades importantes, o que não é bem o mesmo, parece pensar estamos perante uma crise estrutural e não conjuntural.


Após a guerra mundial de 39-45 o poder europeu, que havia dominado quase a totalidade da Terra, começou a diminuir sendo progressivamente superado por outros poderes em crescimento, e para resistir a este desequilíbrio, era essencial a Europa ganhar a unidade, que lhe permitiria atingir a dimensão económica indispensável, e simultaneamente ir criando condições para o entendimento entre a França e a Alemanha, cuja quebra tinha sido fortemente responsável pelas duas últimas guerras mundiais.


E isto só seria exequível se fosse gerida como um estado federal e não como um clube de boas vontades sem comando efetivo e sem objetivos claros de competitividade económica, sem a qual nunca seria possível manter o nível e a qualidade de vida conseguidos após a reconstrução do após guerra.


Chegámos pois a esta dependência, que parece total, dos chamados mercados, perante a até agora impassibilidade de um poder europeu, que teria a obrigação de sacudir de vez esta dependência, que dá a sensação de estar apontada quase exclusivamente à Europa e aos seus interesses.


A Grécia está à beira de possível bancarrota e fatal saída do euro. Os gregos têm tido um comportamento algo condenável mas não só não foram os únicos a tê-lo neste transe mas também outros países tiveram comportamentos muito pouco recomendáveis e nem por isso foram ostracizados.


 E é bom recordar o facto de que se a Europa fosse uma federação a sério, a crise nunca teria atingido esta dimensão.


Portanto a verdadeira questão é esta: a Europa decide já assumir ser uma federação com um rumo de desenvolvimento e resolve de vez a dependência dos mercados, sendo assim possível tratar inteligente e eficientemente os problemas estruturais que originaram este crise, sem dicotomias de gestão inaceitáveis, como a austeridade versus o crescimento, visto que só com as duas em sintonia será possível sobreviver, ou

continua na rota em que vem vivendo há duas décadas, pelo menos, e vamos assistir ao primeiro ato da sua extinção com a saída da Grécia, que, com grande propabilidade, será imediatamente ajudada pela Rússia, e a seguir pela dos outros países mediterrânicos onde a França poderá ter um papel tão essencial como difícil, e as ligações destes países  com países doutros continentes com quem sempre tiveram ligações fortes será determinante numa europa dividida e reduzida à região central.


Mas neste caso não será mais Europa, mas outra designação que defina o grupo de países agregados á Alemanha.


Pois aquela passará a ter o bloco alemão, o bloco mediterrânico (França, Itália, Espanha, Portugal e Grécia) , a Inglaterra, e outros países, agrupados ou isolados.


Se assim acontecer, os vários países que habitam o território europeu ficarão mais fracos do que seriam se fizessem parte duma Europa a sério e dificilmente poderão fazer frente aos seus concorrentes e aos especuladores que tanto os têm prejudicado, naturalmente muito ajudados pelas omissões e pelos erros políticos cometidos até agora pelos responsáveis europeus.



Publicado no DN em 15 de Junho de 2012


 



publicado por JoseViana às 10:49
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


posts recentes

A Catalunha e uma confusã...

A austeridade e as confus...

Turismo: atividade económ...

As ausências de Portugal ...

Alguns esquecimentos impo...

Atenção eleitores, temos ...

Como baixar a abstenção

O Forte de Peniche e a ve...

Agora é preciso crescer!

Um referendo e a falência...

arquivos

Outubro 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Março 2017

Janeiro 2017

Outubro 2016

Setembro 2016

Junho 2016

Maio 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Contador de Visitas
blogs SAPO
RSS