Domingo, 5 de Agosto de 2012
Portugal e a globalização

O artigo publicado no DN de 14 de Julho pp intitulado “A globalização começou a surgir com Colombo” motivou-me a escrever este texto a fim de esclarecer este tema pois sendo muito incompleto e podendo dar origem a se pensar que foi Colombo quem iniciou a globalização, no entanto não se pode dizer que está totalmente errado.


Na verdade o que se passou foi (muito resumidamente) assim:

Em 1383-1385 a revolução, apoiada na burguesia de Lisboa e do Porto uma vez que a nobreza estava maioritariamente a favor de D. João de Castela, colocou no trono D. João I, Mestre da Ordem de Avis e filho de D.Pedro I, e em 1415 foi iniciada a expansão portuguesa, que logicamente só podia ser para o mar, com a conquista de Ceuta.


A seguir foram realizadas navegações não só para o sul ao longo da costa de África mas também afastando-nos progressivamente da costa como se pode constatar com a descoberta de Porto Santo em 1418, cuja distância ao continente ronda os 1000 km e mais tarde, entre 1427 e 1452 dos Açores, cuja distância ao continente ronda os 2000 km.


Entretanto em 1482 construiu-se S. Jorge da Mina e em 1483 chegámos ao Rio Zaire.


E no Atlântico norte em 1472 Corte Real chega à Terra Nova o que não espanta pois a distância dos Açores até lá ronda os 2500km e mostra que os portugueses foram durante todos estes anos coligindo conhecimentos sobre os ventos e correntes que lhe propiciaram estas viagens.


Chegamos assim à década mais notável da nossa história. Em 1487 Bartolomeu Dias inicia a viagem que lhe permitiu passar para o Oceano Índico e garantir deste forma a ligação marítima com a Índia.


Note-se o facto essencial que frequentemente é esquecido: até aqui os navios utilizados eram caravelas, que permitiam bolinar mas tinham pouca capacidade de carga, e Vasco da Gama em 1497-99 inicia a ligação com a Índia com naus, que obrigavam a ter conhecimento dos ventos e correntes do Atlântico sul.


Para conseguir este conhecimento foi preciso explorar esta parte do oceano o que implicou o envio de expedições a partir de 1488 e assim descobrir as costas setentrionais da América do Sul.


A estratégia de D. João II foi claramente a de aproveitar o avanço de Portugal sobre a Espanha no que se refere a capacidade náutica e utilizar Colombo para levar os espanhóis para a América Central deixando o Atlântico sul livre para os portugueses poderem chegar à India. Não foi por sorte que na fixação do meridiano do tratado de Tordesilhas D, João II exigiu mais 500 léguas para ocidente de forma a incluir o território brasileiro e mais tarde Pedro Álvares Cabral encontrar em porto Seguro onde fazer aguada quando foi tomar posse do Brasil.

 

Também não foi por algum passe de magia que o planisfério de Cantino feito em 1502 inclui a costa do Brasil e inúmeros factos impossíveis de realizar em apenas dois anos.


No entanto apesar de todos estes factos e indícios serem esclarecedores da verdade e haver historiadores conceituados que defendem a origem de globalização ser portuguesa e considerarem Portugal como a ponta de lança da expansão europeia em Portugal nunca se deu a estes factos a devida importância.


Muitos livros de História publicados em Portugal mal falam deles e enquanto a Espanha tem estátuas de Colombo em quase todas as cidades e quando celebraram as comemorações da viagem de Colombo construíram uma frota idêntica e percorreram todo o mundo propagandeando a sua importância, nós construímos uma caravela para comemorar a viagem de Bartolomeu Dias com a contribuição da África do Sul e quanto à viagem de Vasco da Gama nada se fez.


Inclusive um relatório da CMOI de 1998 com a colaboração de entidades portuguesas diz que Colombo foi o primeiro navegador oceânico.


A tentativa de aproveitar as comemorações de 1998 para recuperar o estaleiro da Azinheira Velha no Barreiro e a Capela de Santo André onde D. Manuel I assistiu ao lançamento à água das naus de Vasco da Gama esbarrou no mais completo desinteresse dos responsáveis.


Nas comemorações na Expo 98 o valor da epopeia dos descobrimentos portugueses foi totalmente esquecida e daí para cá, só agora parece haver sinais de se querer dar às atividades marítimas o seu real valor quer do melhor que tivemos no passado quer no mais prometedor que temos para o futuro.


Mas não esqueçam esta verdade: quem primeiro conheceu o oceano atlântico foram os portugueses e todos os outros europeus foram atrás de nós. Está na hora de corrigir o rumo, falarmos menos e realizarmos mais e melhor.


Lisboa,20 de Julho de 2012

Publicado no DN em 5 de Agosto de 2012



publicado por JoseViana às 19:51
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


posts recentes

A Catalunha e uma confusã...

A austeridade e as confus...

Turismo: atividade económ...

As ausências de Portugal ...

Alguns esquecimentos impo...

Atenção eleitores, temos ...

Como baixar a abstenção

O Forte de Peniche e a ve...

Agora é preciso crescer!

Um referendo e a falência...

arquivos

Outubro 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Março 2017

Janeiro 2017

Outubro 2016

Setembro 2016

Junho 2016

Maio 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Contador de Visitas
blogs SAPO
RSS