Quarta-feira, 16 de Outubro de 2013
O défice e a retoma, ou a tolice?

Fala-se, escreve-se e discute-se fartamente sobre o tema do défice: se deve ser 4 ou 4,5 ou outro valor, mas sempre acompanhando a discussão com comentários sobre as consequências terríveis dele ser alto.


Curiosamente parece ninguém se preocupar com a definição deste défice pois, em termos práticos, o seu valor é a percentagem em relação ao PIB da diferença entre o que produzimos e o que gastamos.


No entanto toda a gente sabe que uma pessoa, ou uma família, ou uma empresa ou um país sempre que gasta mais do que produz permanentemente, passado algum tempo entra em bancarrota.


Pois só é aceitável gastar a mais, se isso for utilizado para investir em aumento da produção; porque se for gasto em consumo ou investimentos que criem despesas em vez de receitas, a bancarrota (que significa passar a depender dos credores) é o destino fatal.


Ora nestas últimas décadas foi o que aconteceu em Portugal (e noutros países…) e nem a Constituição, agora tão evocada, conseguiu evitar o crescimento do défice, não aumentar a produção e não pôr em causa a independência do País que é uma das principais obrigações constituicionais dos nossos Órgãos de Soberania.


No entanto a maioria dos responsáveis pela condução do Estado e da sociedade civil não se manifestou quando o processo se iniciou no início da década de 90 e só agora tanto se fala de respeito pela Constituição!


De forma muito resumida, mas que toda a gente entende, para Portugal sair desta crise é forçoso conseguir:


1º aumentar a produção, assim aumentar o PIB e portanto automaticamente baixar o défice, pelo menos, em percentagem;


2ºaumentar a eficiência do Estado de forma a permitir e motivar o crescimento da produção e reduzir as suas despesas sem prejudicar os apoios essenciais aos cidadãos (a tão falada reforma do Estado);


3ºacelerar todos os investimentos, principalmente os privados, que sejam geradores de postos de trabalho e de atividades exportadoras.


Abundam planos tal qual me recordo do que acontecia nos anos cinquenta em pleno sistema de condicionamento económico, e que infelizmente continua a manter-se, e por isso vou limitar-me a focar duas atividades que atualmente têm grande potencial de crescimento mas que tarda a correção de rumo que lhes permita o desejado desenvolvimento.

 

A primeira é a agricultura, a pecuária e a pesca que é altamente dificultada pelo sistema de distribuição, desde há muito beneficiando os intermediários e prejudicando os produtores e os consumidores.


A segunda é a atividade náutica com grande capacidade de participação no desenvolvimento do turismo, onde Portugal tem um potencial de crescimento que se pode exprimir em alguns milhares de postos de trabalho diretos e indiretos, que mais nenhum estado europeu tem, e para o qual já há alguns projetos adiantados, mas que, por razões desconhecidas, continuam à espera de decisão há mais de um ano, pois só então foi dada a uma Secretaria de Estado o poder para tomar estas decisões.


Na verdade alguns destes projetos já tinham sido discutidos há mais de dez anos mas como havia a “desculpa” da inexistência de capacidade governamental de decisão foram ficando esquecidos.


O que não espanta num país que desde 1974 foi perdendo o interesse por quase tudo o que diz respeito à Marinha, de que pouco mais resta que a Armada, embora ultimamente as iniciativas verificadas no Rio Douro e na revitalização de navios de cruzeiro já seja um sinal positivo.

 

 E organizando muitas reuniões e conferências sobre o mar. Mas ações concretas quase nada.


Portanto seria excelente que as nossas forças vivas se esforçassem por porem em prática estes projetos e pressionassem os Órgãos de Soberania de quem dependem estas decisões, para falarem menos e decidissem bem e já, porque falar no défice e não tomar estas decisões práticas, é pelo menos tremenda tolice e um enorme prejuízo para os portugueses!


Tentem recordar-se de D.João II que não deixou escritos sobre os seus planos de expansão, mas em vinte anos deixou-nos de herança o acesso a todo o mundo, que só não aproveitámos melhor por erros dos nossos gestores durante os 500 anos seguintes.


Lisboa, 7 de Outubro de 2013

Publicado no DN em 24/10/2013


 



publicado por JoseViana às 11:30
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Maio 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


posts recentes

As ausências de Portugal ...

Alguns esquecimentos impo...

Atenção eleitores, temos ...

Como baixar a abstenção

O Forte de Peniche e a ve...

Agora é preciso crescer!

Um referendo e a falência...

Energia vs água: mais doi...

Desabafo ambiental e fina...

O Mar e a desfaçatez da n...

arquivos

Maio 2017

Março 2017

Janeiro 2017

Outubro 2016

Setembro 2016

Junho 2016

Maio 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Contador de Visitas
blogs SAPO
RSS