Quarta-feira, 9 de Abril de 2014
Um mapa novo e um equívoco já antigo

Tinha iniciado há dias um artigo sobre este tema mas ao ler hoje no DN as declarações da Sra Ministra Assunção Cristas resolvi alterar para a forma de carta aberta a ela dirigida.

 

Para começar quero recordar uma comunicação que apresentei na Academia de Marinha em 1984 que tinha por título “O Mar no passado e no futuro de Portugal” e onde afirmava que o nosso País tinha conseguido ganhar a sua independência e o papel essencial de ponta de lança da expansão europeia no século XV, porque os Reis portugueses ao longo das primeiras dinastias tinham entendido a importância de termos uma Marinha de excelência.

 

 E então com a possibilidade de aumentar o nosso território marítimo voltava a colocar-se esta importância, mas seria essencial imediatamente recuperar a Marinha que após a revolução de 74 tinha sido parcialmente destruída, pois caso isto não fosse realizado mais tarde o novo mapa seria mais uma vez um mapa cor de rosa, como é sabido de muito triste memória.

 

Ora aconteceu que enquanto a missão encarregada do aumento do território fez um excelente trabalho e o resultado está bem à vista com o mapa agora entregue à nossa juventude, aqueles a quem competia reestruturar a nossa Marinha nada fizeram, entendendo-se a Marinha como o conjunto da Armada, em tempos chamada Marinha de Guerra, da Marinha Mercante ou de Comércio, da Marinha de Pesca e da Marinha de Recreio.

 

Note-se que desde a primeira dinastia Portugal desenvolveu aquilo que Michael Porter veio pretender ensinar-nos que é o “cluster” do Mar, que nós tivemos efetivamente até Julho de 74 quando foi decretado o seu fim, e desde então a Marinha foi sendo progressivamente atacada. E estou à vontade para falar disto pois fui o primeiro Secretário de Estado da Marinha Mercante.

 

Durante o PREC houve um ataque de índole ideológico às empreses grandes que foram estatizadas e/ou destruídas e ainda hoje só se fala em PMEs como se fosse possível cumprir o que está escrito na Constituição quanto à independência nacional se não tivermos empresas nacionais de grande porte. Mas o que não destruímos estamos agora vender a capitais estrangeiros.

 

Em termos de Marinha Mercante estamos em posição residual e como não temos empresas para ela vocacionadas a recuperação não passa de um desejo como pouca probabilidade de sucesso tanto mais que, como também a Marinha de Recreio tem sido muito mal tratada, a nossa população foi afastada da utilização do Mar e portanto não há pressão da opinião pública.

 

 

Quanto à Marinha de Pesca desde a recusa da sua reestruturação em 1982, o que tem favorecido os intermediários e prejudicado os produtores e os consumidores, tem vindo a atrasar-se e precisa de ser recuperada em conjunto com as atividades turísticas da Marinha de Recreio ainda muito mal exploradas.

 

A publicação dos 39 projetos prioritários é prova bastante do enorme equívoco que é falarmos muito do Mar e nada da Marinha e como tenho dito mas não sido ouvido, Mar sem Marinha não é mais do que paisagem.

 

Curiosamente no Ministério a que preside a Sra Ministra há projetos que proporcionarão alguns milhares de postos de trabalho sem investimento estatal à espera de decisão superior e que por razões desconhecidas não saem das gavetas governamentais.

 

Entretanto as decisões tomadas a nível europeu apontam para que sejam em Bruxelas e como não temos empresas com capacidade para a exploração de muitas das riquezas potenciais do oceano Atlântico Norte situadas no nosso território, a cor do mapa vai passar provavelmnte a tons cor de rosa.

 

 

Lisboa, 3 de Abril de 2014

 

José Carlos Gonçalves Viana



publicado por JoseViana às 12:40
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Dezembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


posts recentes

Afinal o que é a Marinha ...

2017-10-19. Um desabafo t...

A Catalunha e uma confusã...

A austeridade e as confus...

Turismo: atividade económ...

As ausências de Portugal ...

Alguns esquecimentos impo...

Atenção eleitores, temos ...

Como baixar a abstenção

O Forte de Peniche e a ve...

arquivos

Dezembro 2017

Outubro 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Março 2017

Janeiro 2017

Outubro 2016

Setembro 2016

Junho 2016

Maio 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Contador de Visitas
blogs SAPO
RSS