Terça-feira, 24 de Outubro de 2017
2017-10-19. Um desabafo triste e revoltado

Os recentes trágicos acontecimentos, e não quero dizer os últimos porque infelizmente ainda poderemos ter mais do mesmo teor, tornaram este desabafo inevitável porque tudo isto não é algo característico só destes dois anos recentes mas muito mais profundo e anterior.

E nunca será corrigido sem haver uma análise completa que explique quais as causas reais destas catástrofes que não foram só estes incêndios assassinos e destruidores de riqueza mas também as corrupções, as espoliações, os roubos, os enganos e as mentiras que durante as últimas três décadas assolaram o nosso País, não bastando analisar, mas tendo que haver reconhecimento dos implicados, pois ter apenas a consciência tranquila não chega, dada a verdade nos recordar a sentença dita por alguém, que não sei quem foi, de que uma consciência tranquila é quase sempre o resultado de uma memória fraca.

Porque para alguém se corrigir é preciso que assuma os erros cometidos.

Concretizando apenas alguns exemplos de acontecimentos de que não se apontam responsáveis:

-O Pinhal de Leiria ardeu e há dez anos que não era limpo e pertence ao Estado.

-Está regulamentada a distância de existência de árvores em estradas municipais mas parece que algumas Autarquias não sabem isso.

-A maioria da legislação relativa à gestão do interior rural há muitos anos que precisa de revisão mas nem os Governos nem o Parlamento trataram disso atempadamente de forma evitar estas catástrofes embora houvesse pareceres técnicos suficientes.

-houve a destruição da nossa Marinha Mercante e o atraso da Marinha de recreio em milhares de postos de trabalho em projetos concretos não permitidos esquecendo o facto desta atividade ter sido e dever continuar a ser a mais importante para a independência e para a identidade portuguesa.

-Houve uma crise financeira provocada principalmente pela ganância desenvolvida pela incompetência da introdução de um sistema de neoliberalismo bacoco de que tiraram benefícios apenas alguns com o prejuízo de muitos sem que os Órgãos de Soberania e os poderes corporativos tivessem atuado em conformidade com as suas obrigações estatutárias.

Estes exemplos chegam para mostrar claramente que as duas causas essenciais foram: a ganância pelo dinheiro fácil, que na nossa história tantas vezes nos prejudicou, e a ausência sistemática de responsáveis competentes, o que obviamente não permite corrigir os desmandos e erros praticados.

Quando agora vemos tanta pressão para demitir uma ministra que de facto apenas não tinha o perfil apropriado mas não vemos por exemplo ex-ministros e                                ex- deputados que recentemente estiveram no poder assumirem as responsabilidades que também têm pelo facto de nada terem feito quando era devido, chega a parecer que se assim fosse provavelmente haveria muitas outras demissões.

Lisboa, 24 de outubro de 2017     José Carlos Gonçalves Viana

 

 



publicado por JoseViana às 12:46
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Domingo, 15 de Outubro de 2017
A Catalunha e uma confusão eleitoral

A luta atual da Catalunha pela sua independência trouxe à baila uma enorme confusão eleitoral misturada com o aparente desconhecimento do que é essencial quanto à própria independência.

Com efeito o Governo Autónomo da Catalunha decidiu fazer um referendo para decidir, embora legalmente não o pudesse fazer, declarar a independência catalã.

Assim surge a primeira confusão: enquanto nas eleições de Órgãos de Soberania a lógica eleitoral é simples, isto é, quem tem a maioria dos votos ganha, mesmo que a abstenção seja qual for, num referendo que não tem objetivos eleitorais mas a de decisão de um determinado problema a lógica eleitoral já merece ser examinada com mais atenção principalmente quando o tema em questão é a independência do país.

Todas as independências sempre foram lutas entre poderes que afetaram as populações abrangidas e exigiram delas muitas vezes a sua participação em guerras que para terem sucesso era essencial o seu grau de convicção e apego a essa solução.

Aliás também é conveniente ter a noção de que não basta lutar para conseguir ganhar o estatuto de independente, para o que por vezes bastava uma batalha, mas é essencial desenvolver ligações internacionais favoráveis e atividades económicas e culturais que permitam a sua sustentabilidade.

O exemplo da nossa primeira dinastia é muito claro neste aspeto.

Portanto se num referendo para decidir declarar a independência sabendo que isso significaria uma luta com o poder central, até por ser ilegal, só deveria ser aceitável se houvesse garantia de que toda a população tinha sido informada das consequências imediatas e futuras de tal decisão e que tinha sido aprovada pela sua maioria real e nunca apenas pela frágil maioria da lógica eleitoral obtida.

Lisboa, 15 de outubro de 2017

José Carlos Gonçalves Viana



publicado por JoseViana às 16:22
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

16
17
18
19
20
21

22
23
25
26
27
28

29
30
31


posts recentes

2017-10-19. Um desabafo t...

A Catalunha e uma confusã...

A austeridade e as confus...

Turismo: atividade económ...

As ausências de Portugal ...

Alguns esquecimentos impo...

Atenção eleitores, temos ...

Como baixar a abstenção

O Forte de Peniche e a ve...

Agora é preciso crescer!

arquivos

Outubro 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Março 2017

Janeiro 2017

Outubro 2016

Setembro 2016

Junho 2016

Maio 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Contador de Visitas
blogs SAPO
RSS