Terça-feira, 6 de Dezembro de 2011
O TURISMO NO DESENVOLVIMENTO DO SOTAVENTO ALGARVIO –V E a Ria Formosa?

Mais uma vez tivemos uma questão posta por um leitor que merece uma resposta, e ela é a seguinte: foram sugeridos vários investimentos a serem realizados na Ria Formosa, mas como será isto compatível com a qualidade inerente a uma zona protegida e ambientalmente sensível?

 

Antes de responder à questão posta convém esclarecer os leitores explicitando três princípios que defendemos serem essenciais, embora correndo o risco de podermos ser considerados fundamentalistas:

 

1ºTodas as zonas protegidas têm que ser geridas de forma a não só protegê-las de acções humanas nocivas mas também compensando eventuais alterações naturais que tendam a prejudicá-las, o que evidentemente tem custos por vezes elevados.

 

2º Nas zonas protegidas a protecção não pode significar obrigatoriamente o seu não aproveitamento inteligente e sustentado e (até) as dificuldades dos que lá habitam.

 

3ºA procura de condições de excelência de qualidade de vida não pode nem deve ser unicamente praticada nas zonas protegidas mas em todo o território pois se a natureza deve ser protegida também a população merece o mesmo tratamento o que não se verifica pela qualidade muito baixa da maioria dos PDMs das nossas cidades.

 

Posto isto verifica-se que a principal diferença entre as zonas ditas protegidas e as outras é que nas primeiras a afluência de visitantes tem que ser controlada e limitada consoante as suas características enquanto nas segundas são aceites limites muito altos ou nenhuns.

 

Portanto quando se pretende elaborar um plano de desenvolvimento de uma zona protegida como é o caso da Ria Formosa temos que elaborar a lista de todas as actividades que serão aceitáveis por serem económica e socialmente interessantes e delimitadas de forma a que, pela sua quantidade e características, não prejudiquem o equilíbrio ambiental da Ria.

A situação actual da Ria é a de não estar a ser aproveitada devidamente nem a ser gerida de forma eficiente pois o assoreamento de muitas zonas, como por exemplo junto ao Forte de Sto António, em Cacela, em Cabanas, em Sta Luzia e o rompimento do cordão dunar  em frente de Cacela são provas de falhas de conservação, que aliás até põem em perigo a sua própria existência.

 

 E além disto há esgotos a correr para a Ria, há o estacionamento de embarcações de forma anárquica, sem qualidade e sem qualquer contribuição para a manutenção da Ria, mas sempre que há tentativas para estabelecer instalações náuticas apropriadas nada se autoriza o que em tempos levou alguém a afirmar parecer ser norma da entidade gestora da Ria “nada se autoriza tudo se consente”. E isto é apenas uma parte do que se poderia dizer mas para agora é quanto basta.

 

Por outro lado tem que haver uma gestão eficiente da evolução da Ria, que, como se sabe mas não é praticada, preserve o cordão dunar, os canais de navegação e de circulação das águas, as barras que exigem esforços eficazes de compensação dos desgastes naturais e outras variáveis além das construções e ocupações empresariais que implica a existência de mecanismos de controle efectivos e a manutenção permanente de um modelo que permita monitorizar todo o conjunto territorial da Ria como seria desejável e deveria ser obrigatório.

 

É obvio, mas ainda não está implantada a solução para se poder atingir este estado de excelência pois para isso seria indispensável haver uma entidade de facto responsável por esta gestão não só para realizar todas as acções necessárias mas também para obter as verbas e não ter que depender apenas do Orçamento do Estado.

 

Aliás no caso da Ria Formosa é nossa convicção de que um sistema de gestão eficiente poderia aproximar-se muito da auto suficiência orçamental e criar grande número de postos de trabalho e tornar-se num pólo importante da economia algarvia, e já em 2004 apresentámos publicamente um plano para atingir este objectivo mas nem os responsáveis públicos nem os privados se revelaram interessados.

 

Mas dada a necessidade absoluta de se criarem mais postos de trabalho urgentemente custa a entender e não se pode aceitar que se continue a não tomar as decisões correctas que corrijam esta situação.

 

Publicado no Postal em Junho de 2010



publicado por JoseViana às 14:44
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Dezembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


posts recentes

Afinal o que é a Marinha ...

2017-10-19. Um desabafo t...

A Catalunha e uma confusã...

A austeridade e as confus...

Turismo: atividade económ...

As ausências de Portugal ...

Alguns esquecimentos impo...

Atenção eleitores, temos ...

Como baixar a abstenção

O Forte de Peniche e a ve...

arquivos

Dezembro 2017

Outubro 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Março 2017

Janeiro 2017

Outubro 2016

Setembro 2016

Junho 2016

Maio 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Contador de Visitas
blogs SAPO
RSS