Segunda-feira, 12 de Dezembro de 2011
Porquê tanta irresponsabilidade?

Todos os dias surgem à superfície do conhecimento público casos, por vezes de enormes dimensões, relacionados com a profunda e enraizada irresponsabilidade da vida deste País em geral e da vida política em particular.

 

Aquilo que o nosso Povo, submisso e acomodado, vai comentando com a convicção de termos brandos costumes e nada se corrige em tempo útil. Até vir alguém de fora para tentar por ordem na casa.

 

Na verdade é uma questão de cultura, não daquela que tem um Secretário de Estado a geri-la, mas da que significa a capacidade de dirigir o comportamento de um povo e que depende principalmente da qualidade das suas elites dominantes o que torna ainda mais difícil realizar rapidamente uma mudança sem cair em sistemas menos democráticos, como a História mostra vários exemplos.

 

Mas o que podemos e devemos fazer é analisar o atual sistema organizativo em exercício é melhorá-lo, a começar obviamente pela nossa Constituição, que algumas vozes proclamam ser perfeita, mas que na realidade enferma de defeitos muito influentes neste ambiente de enorme irresponsabilidade.

 

E para já vou focar apenas dois pontos a saber:

1º Aparentemente temos um sistema semi-presidencialista mas na verdade o que temos é um sistema bi-presidencialista pois o que acontece é elegermos diretamente um Presidente da República e indiretamente um Presidente do Conselho de Ministros que nomeia os deputados que o “elegem” donde resulta uma diminuição inaceitável da responsabilidade dos deputados e portanto da própria Assembleia.

Como se verifica diariamente no seu funcionamento.

 

2º Para que haja alguma hipótese de controle os órgãos controladores não podem ser dependentes dos órgãos executivos, tal como nas empresas, em que o Conselho Fiscal nunca é nomeado pelo Conselho de Administração.

 

Assim todos os órgãos controladores, como a Provedoria, o Tribunal de Contas, a Procuradoria Geral, etc., deveriam sempre ser nomeadas ou eleitas pelos partidos da oposição de forma a aumentar a garantia da sua independência e portanto da sua eficiência.

 

É evidente que isto só por si não chegará para acabar com muitas irresponsabilidades e compadrios mas já será um começo, sem o qual tão cedo poderemos começar a eliminar estes casos que tantos prejuízos causam ao País e que o colocam na situação deplorável em que se encontra, e pior do que isso, na herança de mediocridade que as atuais gerações estão a deixar aos seus herdeiros.

 

Lisboa, 23 de Setembro de 2011

 

Não foi  publicado



publicado por JoseViana às 22:54
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Dezembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


posts recentes

Afinal o que é a Marinha ...

2017-10-19. Um desabafo t...

A Catalunha e uma confusã...

A austeridade e as confus...

Turismo: atividade económ...

As ausências de Portugal ...

Alguns esquecimentos impo...

Atenção eleitores, temos ...

Como baixar a abstenção

O Forte de Peniche e a ve...

arquivos

Dezembro 2017

Outubro 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Março 2017

Janeiro 2017

Outubro 2016

Setembro 2016

Junho 2016

Maio 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Contador de Visitas
blogs SAPO
RSS