Sexta-feira, 4 de Maio de 2012
Sinistralidade elevada, porquê?

O artigo publicado no DN em 18 de Abril pp intitulado “Sinistralidade empobreceu o País” levou-me a apresentar este texto pois se constata que mais uma vez aparece este lamento, agora com números ainda mais crus que a sua ausência, mas continua a não ser este flagelo devidamente analisado e portanto a não se tomarem as medidas mais eficientes para a sua correção.


De facto há estradas e ruas mal desenhadas e/ou mal mantidas, sinalização deficiente ou inexistente, e por ventura mais alguns defeitos deste tipo, mas a maioria dos acidentes deve-se a erros humanos dos quais o mais corrente é a indisciplina dos condutores.


E por que razão há tantos condutores indisciplinados? E, já agora, só os condutores são  assim?


Vendo bem a principal causa da nossa crise atual foi a indisciplina generalizada dos políticos e de grande parte da população na condução da sua vida económica e financeira.


Então o que é isso da indisciplina?


É o inverso da disciplina e esta é o conjunto de regras que devem orientar o comportamento dos cidadãos. Há disciplina militar como há disciplina religiosa e nestes dois casos toda a gente tem consciência do que ela representa e porque ela existe.


Na vida em geral poderemos dizer que a disciplina, obviamente democrática pois em regimes ditatoriais é que tudo o que não é proibido é obrigatório, é a forma inteligente das pessoas conviverem harmoniosamente. Portanto nunca praticando atos que incomodem ou prejudiquem as outras.


Para isso há três condições básicas:

 

1ª que todos sejam educados, isto é, ensinados e treinados a cumprir estas normas


2ª que elas sejam cumpridas por todos os escalões da sociedade, até porque um dos fatores essenciais da educação é o exemplo dado por aqueles que ocupam os lugares mais proeminentes


3ª que haja enquadramentos propícios e sistemas de controle eficazes de forma a reforçar o esforço educativo e em último caso em punir os prevaricadores quaisquer que eles sejam.


Posto isto, a disciplina pode definir-se como a relação entre as normas que são cumpridas e as que existem no enquadramento legal.


Se forem todas cumpridas a disciplina será 1, se não forem este valor descerá até zero quando nada for respeitado.


Assim quando se faz uma lei, como por exemplo no que respeita o ruído ou a higiene e a segurança relativa ao comportamento de cães na via pública, mas nada se faz para que seja cumprida está imediatamente a criar-se um foco de indisciplina.


Também quando os municípios não criam estacionamentos suficientes e depois consentem o estacionamento em cima dos passeios onde de vez são multados, ou quando organismos oficiais estacionam as suas viaturas em locais proibidos, mais focos de indisciplina estão a ser criados.


Verifica-se assim que os cidadãos, desde a mais tenra idade são bombardeados com atos indisciplinadores nos bairros, nas escolas, na vida política, em todo o lado, e portanto dificilmente poderão comportar-se disciplinadamente.

 

E a indisciplina, como é o inverso da disciplina, cresce exponencialmente e quando esta desce para perto do zero, aquela atinge valores elevadíssimos e daí tantos acidentes.


Conclusão: se querem de facto diminuir a sinistralidade a sério, não é de vez em quando porem milhares de polícias nas estradas, mas antes resolverem capazmente a circulação e o estacionamento nas cidades e nas estradas, e convencerem-se todos os que têm responsabilidades a só fazerem leis que possam fazer cumprir e cumprirem todas as leis que já existem.


Lisboa,18 de Abril de 2012


Publicado no DN em 4 de Maio de 2012



publicado por JoseViana às 13:26
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Dezembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


posts recentes

Afinal o que é a Marinha ...

2017-10-19. Um desabafo t...

A Catalunha e uma confusã...

A austeridade e as confus...

Turismo: atividade económ...

As ausências de Portugal ...

Alguns esquecimentos impo...

Atenção eleitores, temos ...

Como baixar a abstenção

O Forte de Peniche e a ve...

arquivos

Dezembro 2017

Outubro 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Março 2017

Janeiro 2017

Outubro 2016

Setembro 2016

Junho 2016

Maio 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Contador de Visitas
blogs SAPO
RSS