Segunda-feira, 20 de Abril de 2015
Comunicação social e fatal dependência da democracia

Carta aberta aos órgãos de comunicação social e aos eleitores 

Antes de 25 de Abril de 74 a comunicação social estava controlada e não havia qualquer controlo real da ligação entre o Poder vigente e a população além do que é normal numa ditadura, mesmo que não fosse tão rígida como a de Hitler ou a de Estaline.

Mas após esta revolução verificou-se haver nas eleições que passaram a ser livres enorme abstenção, sinal do desinteresse da população pela vida do País e pela sua própria vida pessoal e ainda ter havido ao longo do tempo abaixamento do nível da atividade dos participantes nos lugares constituintes dos Órgãos de Soberania donde resultaram gravíssimas consequências quer para a vida da população (como foi a vinda da Troika) quer para o País ( como foi a destruição sistemática da nossa independência e da nossa identidade) reduzindo-se a gestão nacional como se se tratasse de uma simples tesouraria.

E isto refere-se principalmente ao período de 1985 a 2015 ou seja os últimos trinta anos, pois se me não falha a memória nas primeiras eleições após Abril de 74 a abstenção foi de 8% da população…

No entanto a lua de mel foi de curta duração e a abstenção cresceu rapidamente para valores próximos de metade dos eleitores até que perto de 85 começámos a ter maior estabilidade governamental e aproximação crescente com a Europa o que permitiria o desenvolvimento económico e social naturalmente dinamizando as empresas e a população para aumentarmos a nossa produção e a nossa riqueza.

E não faltaram fundos para os investimentos, produtivos é claro, que era preciso realizar, pois neste período entraram no País mais de 300 000 milhões de euros de subsídios europeus e empréstimos ao Estado, às empresas e aos cidadãos mas a produção nacional ficou praticamente na mesma o que significa que a maior parte desta verba não foi aplicada em investimentos produtivos mas em aquisições e despesas e provavelmente desvios que em nada contribuíram para produzir riqueza para o Estado e para a população.

E tudo isto sucedeu com Órgãos de Soberania eleitos livremente, é certo só por uma parte da população, e com uma Comunicação Social livre e sem Censura prévia.

No entanto passados todos estes anos a situação continua a piorar conforme está descrita em comunicações e artigos de vários autores incluindo eu próprio e portanto não vos vou roubar mais tempo com o passado e passo assim para o assunto atual.

É notório o desinteresse da população pelos problemas e respetivas soluções mais importantes para um melhor futuro do País, pois não tenho qualquer dúvida que uma parte substancial do futuro seja de quem for depende sempre dos protagonistas e portanto é essencial contribuir para essa participação que se pretende seja persistente, bem informada e mais proativa que reativa, como tem sido costume . O que só se torna possível com a ação eficaz da Comunicação Social e a participação ativa dos eleitores.

Mas tenho verificado que esta, a CS, não tem dado a atenção que julgo devida tanto a alguns temas essenciais como à pouca participação popular que já há muitos anos levou Aquilino Ribeiro a dizer que os Portugueses eram uns estassemarimbadistas.

Assim venho sugerir a Vexas (Dirigentes dos OCS) a criação de espaços diários  reservados pelo menos a três temas em que seriam apresentadas análises, soluções, críticas elaboradas em parte por colaboradores seus e parte por convidados e participantes interessados.

1ºTema: Reforma estrutural do Estado.

2ºTema: Melhoria do enquadramento produtivo das empresas desde o capital até ao operacional pois a elas compete a criação de postos de trabalho e de riqueza.

3ºTema:Projetos concretos a desenvolver e a acompanhar, com o escrutínio dos Governantes e Autarcas envolvidos para esclarecimento das razões para os atrasos, as omissões e os desvios verificados.

Isto criaria mais interesse na aquisição de participantes e mais desenvolvimento na população hoje mais ainda do que em tempos atrás, desiludida com os políticos e com as personalidades colocadas nos lugares mais importantes da sociedade e daria à nossa democracia o vigor que tanta falta lhe faz.

E estando nós em plena campanha eleitoral a oportunidade parece ser excelente.

Assim seja.

Lisboa, 20 de Abril de 2015

José Carlos Gonçalves Viana

 

 

 



publicado por JoseViana às 11:14
link do post | comentar | favorito

1 comentário:
De francisco g. de amorim a 23 de Abril de 2015 às 21:35
Meu caro:
Todos nós nos devemos sentir com o Padre António Vieira no sermão de Santo António aos Peixes.
Os homens, os que deveriam ser responsáveis, não nos ouvem, nem querem!


Comentar post

mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


posts recentes

A Catalunha e uma confusã...

A austeridade e as confus...

Turismo: atividade económ...

As ausências de Portugal ...

Alguns esquecimentos impo...

Atenção eleitores, temos ...

Como baixar a abstenção

O Forte de Peniche e a ve...

Agora é preciso crescer!

Um referendo e a falência...

arquivos

Outubro 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Março 2017

Janeiro 2017

Outubro 2016

Setembro 2016

Junho 2016

Maio 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Contador de Visitas
blogs SAPO
RSS