Terça-feira, 8 de Julho de 2014
Conselho de Estado: nova reunião, velho equívoco

Dada a situação difícil que o País atravessa, particularmente o crescimento muito lento do PIB e consequentemente do emprego, o aumento da dívida, o atraso na reforma do Estado e as fracas perspetivas de desenvolvimento a curto prazo, justifica-se plenamente a convocação do Conselho de Estado pelo Senhor Presidente da República para tratar certamente de melhorar as soluções que permitam diminuir as consequências da crise de todos conhecidas, tanto mais porque os dois principais partidos têm mostrado não serem capazes de se entenderem de forma eficaz.

 

Portanto houve nova reunião e dela foi emanado um comunicado de que li um excerto publicado no DN que dizia “Voz ativa de Portugal na União Europeia em prol do crescimento, do emprego, e da coesão, sobretudo no processo em curso da união económica, orçamental e bancária”.

 

Quem ler este comunicado, e não se recorde do que se passou nas duas últimas décadas, parece-lhe que a crise foi causada principalmente pelas falhas cuja correção só depende da Europa.

 

Mas se for possível não fazer parte daqueles que têm a consciência tranquila e que um filósofo apontou que geralmente também teriam uma memória fraca, na verdade saberiam que as principais causas da nossa crise foram: o péssimo uso dos milhares de milhões de euros enviados pela Europa, a proliferação de postos de trabalho não produtivos e dependentes do Orçamento do Estado, a realização de obras caras e muitas vezes inúteis, a incapacidade de criar postos de trabalho produtivo quer por falta de motivação dos investidores quer por indecisões do Governo e de Autarquias e por último por não ter sido realizada a indispensável reforma do Estado a que o País se comprometeu quando estava à beira da bancarrota.

 

Olhando para trás, isto é, para a nossa História, constata-se que sistematicamente fomos responsabilizando sempre outros de fora pelos desaires e desgraças que nos foram afligindo ao longo dos tempos: a perda da independência por culpa de Filipe II de Espanha, o atraso económico por culpa de religião e das invasões francesas, a dependência da Inglaterra e o mapa cor de rosa por culpa dos ingleses, as dificuldades após a guerra de 39-45 com os conflitos coloniais por culpa dos americanos e dos russos, e por aí fora culminando com a crise atual por culpa da Europa e dos EU.

 

Quando foi anunciada esta reunião do Conselho de Estado logo pensei, pelos vistos possuído de profundo otimismo, que nele se iria analisar a situação real do País e como resolver os nossos problemas internos pois se assim não acontecer e ficarmos à espera que a Europa se reorganize, o que obviamente será importante, tão cedo conseguiremos sair da mediocridade política que tanto nos aflige e sem o que, mesmo que a Europa melhore, continuaremos nesta apagada e vil tristeza em que estamos.

 

Mas não foi isso que aconteceu e mais uma vez caímos no velho equívoco de atirar as culpas dos nossos erros para alguém de fora e pouco ou nada fazermos pelo nosso lado para corrigirmos o rumo errado que temos seguido nestas duas últimas décadas.

 

E tudo isto praticado por gente eleita e não por uma ditadura como era em Abril de 74.

 

Lisboa, 6 de Julho de 2014

José Carlos Gonçalves Viana

 

Publicado no DN em 8 de Julho de 2014



publicado por JoseViana às 11:06
link do post | comentar | favorito

1 comentário:
De Francisco G. de Amorim a 8 de Julho de 2014 às 15:43
Meu caro: É muito mais fácil sacudir o pó das costas do que tomar banho!
Tomar banho poderá ser, em metáfora, começar de novo, a LIMPO!
Dá muito trabalho aos pensadores (?) do desgoverno!


Comentar post

mais sobre mim
pesquisar
 
Julho 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


posts recentes

A austeridade e as confus...

Turismo: atividade económ...

As ausências de Portugal ...

Alguns esquecimentos impo...

Atenção eleitores, temos ...

Como baixar a abstenção

O Forte de Peniche e a ve...

Agora é preciso crescer!

Um referendo e a falência...

Energia vs água: mais doi...

arquivos

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Março 2017

Janeiro 2017

Outubro 2016

Setembro 2016

Junho 2016

Maio 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Contador de Visitas
blogs SAPO
RSS