Terça-feira, 31 de Maio de 2016
Energia vs água: mais dois erros de gestão da nossa governação

Há dois ou três dias assisti na TV à afirmação do nosso deputado europeu Prof.Dr. Carlos Zorrinho de que se iria construir mais uma barragem para assim se melhorar a nossa produção energética. Em princípio pareceria ser uma decisão correta mas analisando mais cuidadosamente a conclusão poderá não ser assim tão correta.

Em primeiro lugar há que ter em conta que uma barragem tanto pode ser para produzir energia como para melhor gerir a água e no caso de Portugal em que as perspetivas quanto à diminuição das precipitações particularmente no sul são preocupantes, e se não são deviam ser, a prioridade deveria ser a gestão da água até porque sem energia se pode viver com aconteceu com a humanidade durante séculos mas sem água só alguns, poucos, dias.

Ainda por cima nunca desenvolvemos a reciclagem das águas residuais nem aproveitamos as águas provenientes da precipitação nas áreas impermeabilizadas, nem cuidámos devidamente de canalizar as águas da precipitação para os caudais subterrâneos, nem se conhece qualquer plano concreto para nos prepararmos para as dificuldades que se sabe serem garantidas.

Por outro lado o cidadão português que paga uma energia das mais caras na Europa fica perplexo perante os lucros da EDP que ele julgava ser uma empresa cujo objetivo principal deveria ser a independência da nossa produção energética (que era e é tecnicamente possível) e contribuir para a competitividade do País através de um preço mais baixo.

Portanto estamos perante dois erros de gestão:

1º sendo a água muito mais importante que a energia e estando ameaçado o seu fornecimento escolher a energia em vez da água é não distinguir o essencial do acessório (que é um dos princípios da gestão eficiente)

2º não tendo surgido nenhum protesto pelo responsável nacional pela água, provavelmente porque não há, incorre-se assim no incumprimento de outro princípio da gestão eficiente que é de que tem que haver sempre responsável principalmente para tudo o que é mais importante.

E assim se chega à situação lamentável de aparecer na TY um Professor de Gestão com importante posição na hierarquia do Poder Político a cometer aqueles erros crassos de gestão e ainda por cima perante a indiferença total da comunicação social.

Lisboa, 31 de Maio de 2016

José Carlos Gonçalves Viana



publicado por JoseViana às 16:23
link do post | comentar | favorito

2 comentários:
De João Martins Vieira a 31 de Maio de 2016 às 18:49
É que a energia dá mais dinheiro do que a água!


De francisco g. de amorim a 31 de Maio de 2016 às 18:52
A incompetência é pior do que virus da gripe. Grassa por todo o lada e "mata" os que ainda pensavem poder ajudar o país!


Comentar post

mais sobre mim
pesquisar
 
Julho 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


posts recentes

A austeridade e as confus...

Turismo: atividade económ...

As ausências de Portugal ...

Alguns esquecimentos impo...

Atenção eleitores, temos ...

Como baixar a abstenção

O Forte de Peniche e a ve...

Agora é preciso crescer!

Um referendo e a falência...

Energia vs água: mais doi...

arquivos

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Março 2017

Janeiro 2017

Outubro 2016

Setembro 2016

Junho 2016

Maio 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Contador de Visitas
blogs SAPO
RSS