Sábado, 18 de Janeiro de 2014
O Turismo em Portugal e a criação de postos de trabalho

Ninguém tem qualquer dúvida da importância e da urgência na criação de postos de trabalho, particularmente em atividades exportadoras.

 

Ora é exatamente na área do Turismo onde o potencial de criação rápida e com pouco investimento do Estado de postos de trabalho, continua a ser mal tratado para não dizer mesmo esquecido.

 

 

Para analisarmos melhor esta questão convém recordar a definição de Turismo que adotei quando há muitos anos me iniciei nesta atividade, ou seja em 1972-73 quando o navio Funchal foi transformado em navio de cruzeiros e que é a seguinte: conjunto de atividades económicas, sistémicas e globais, cuja função distribuição em lugar de levar o produto ao cliente trás este ao produto.

 

Daqui interessar definir o cliente alvo e obviamente o conceito de produto turístico que o consiga atrair.

 

Começando pelo cliente alvo a escala inicia-se por aqueles que maior valor acrescentado originam durante a sua estada, mas devendo ter em conta que as percentagens dos vários estratos do nível económico deles deve estar equilibrada com a estrutura da nossa oferta.

 

Um exemplo relacionado com a náutica de recreio é assim: seria excelente termos capacidade para receber megaiates mas também é essencial poder receber quem utiliza apenas embarcações de pequena dimensão para estuários.

Portanto a seguir devemos definir quais os produtos turísticos mais interessantes que podemos oferecer, podendo e devendo utilizar métodos de dinamização na procura de alternativas que conduzam a examinar um número muito vasto de atividades desde médicas, artísticas, contemplativas, gastronómicas, religiosas, políticas, científicas, desportivas, etc..

 

Durante muitos anos desenvolvemos um conceito que se revelou ser uma enorme tolice que foi o Sol e Praia, mas embora com algum atraso, nos tornámos num excelente fornecedor do produto Golfe e nestes últimos anos também a região do Douro tem dado provas de excelência na criação de produtos turísticos de elevado valor.

 

Mas quanto ao centro e ao sul do País já não se pode dizer o mesmo. Com efeito o potencial náutico em particular da região de Lisboa, mais exatamente do estuário e do próprio rio Tejo, do rio Sado, do Sotavento Algarvio e da barragem do Alqueva deve ser cotado ao nível de vários milhares de postos de trabalho.

 

No entanto os nossos responsáveis, quer sejam do Governo ou das corporações civis, não têm dado prova alguma da existência deste potencial, embora até já haja projetos desde há vários anos que não se desenvolveram.

Uma das razões parece ser a de que o Turismo depende de uma Secretaria de Estado e as atividades náuticas doutra Secretaria de Estado. Outra razão é a indiferença quando não mesmo algumas mesquinhices regionais dos órgãos dirigentes sejam eles corporativos ou autárquicos.

 

Dou um exemplo concreto: em 1997 foi apresentado ao Município do Barreiro um projeto de desenvolvimento náutico que criaria nele alguns milhares de postos de trabalho com um investimento muito baixo e gradual, portanto sem risco financeiro, mas até hoje nada aconteceu. Nem apareceu qualquer manifestação a reclamar esta decisão.

 

É claro que é essencial que toda a gente compreenda a necessidade de haver instalações de postos de amarração e de acesso ao mar de embarcações que permitam a grande número de cidadãos a prática de desportos náuticos, pois só assim poderemos ter os profissionais indispensáveis à prestação de serviços aos turistas com a qualidade correta.

 

Devo mesmo insistir num facto que tem sido desprezado pela nova vaga de interessados no mar que é a náutica de recreio ter dupla utilidade: primeira é o instrumento essencial para a formação da juventude no contacto com o mar e principalmente com a Marinha, porque o Mar sem Marinha, como nós estamos agora, não é mais que uma paisagem e uma saudade; segunda é um meio de criação de riqueza fundamental agora, aliás como sempre foi na nossa história.

 

Portugal sem Marinha é um país periférico, quando teve a melhor Marinha da Europa era central!

 

Como o Ministério e a Secretaria do Mar não tomam as decisões que permitirão finalmente sairmos, como dizia Camões desta apagada e vil tristeza, será possível os responsáveis pelo Turismo terem essa iniciativa?

 

Lisboa, 1 de Janeiro de 2014

 

José Carlos Gonçalves Viana



publicado por JoseViana às 17:33
link do post | comentar | favorito

1 comentário:
De MConceição Cdias a 23 de Janeiro de 2014 às 17:08
Estou a ver o potêncial náutico cheio de embarcações pequenas e médias! deslizando com elegância pelas lagunas, pelos rios acima, (aqueles por onde se possa seguir... etc.).. Bonito e talvez não seja investimento "impossível" mas é capaz de ser atrátivo para gentes de cá como de outros países. Gostei mto. parabéns!


Comentar post

mais sobre mim
pesquisar
 
Julho 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


posts recentes

A austeridade e as confus...

Turismo: atividade económ...

As ausências de Portugal ...

Alguns esquecimentos impo...

Atenção eleitores, temos ...

Como baixar a abstenção

O Forte de Peniche e a ve...

Agora é preciso crescer!

Um referendo e a falência...

Energia vs água: mais doi...

arquivos

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Março 2017

Janeiro 2017

Outubro 2016

Setembro 2016

Junho 2016

Maio 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Contador de Visitas
blogs SAPO
RSS