Terça-feira, 27 de Fevereiro de 2018
Descentralização ou gestão mais eficiente?

Como tenho defendido em textos já publicados, Portugal desde 1500 tem sido sistematicamente governado por detentores do poder que nunca praticaram uma gestão eficiente, o que explica o não aproveitamento das riquezas herdadas do século  XV dos Descobrimentos Marítimos,  a perda da independência em 1590 e a sua recuperação em 1640 apenas com boa gestão militar, a perda da revolução industrial que acarretou todo o atraso económico-social que afetou o nosso desenvolvimento até aos anos 50 do século XX, os erros fortíssimos da gestão colonial do Estado Novo que levou às guerras coloniais e assim ao descalabro sócio-económico que originou a revolução de Abril de 74.

Mas os poderes que então tomaram as rédeas da nossa governação rapidamente mostraram praticar uma gestão pouco eficiente cujos resultados estão bem à vista dadas as oportunidades perdidas, a proximidade a que estivemos de várias bancarrotas e a perda de independência económica que tem vindo a aumentar com as políticas pseudo liberais que tivemos nas últimas três décadas culminando com a ultrapassagem pela direita da “troika” e mais recentemente, para quem ainda tivesse algumas ilusões, o descalabro enorme das falhas de gestão que tantas mortes evitáveis provocaram nos incêndios de 2017 e agora a seca e os desastres no Tejo.

Portanto nós precisamos muito, e que não leve tempo a mais, de uma mudança radical e profunda na gestão que é praticada pelos Órgãos de Soberania, pela Justiça e pelas Autarquias e quando alguns responsáveis agora falam da descentralização ( e há até quem ainda fale na regionalização) como remédio para as falhas atrás indicadas, fico obviamente muito preocupado, pois não oiço nada sobre sistemas e processos de gestão a melhorar e em vez disso parece querem aumentar os poderes das Autarquias sem as corrigirem das grandes distorções das suas estruturas organizacionais

Após os incêndios houve quem clamasse pela demissão de uma Ministra, como se fosse ela a única responsável pela tragédia de tantas mortes evitáveis, esquecendo os Autarcas e os deputados que não cuidaram atempadamente pela gestão que tanto falhou.

Em particular as Autarquias que são responsáveis pela indisciplina da população que tantos desastres provoca nas estradas, pela baixa qualidade dos planos de urbanização e de proteção ambiental, pelo atraso no desenvolvimento quando não permitem o desenvolvimento náutico havendo o potencial respetivo e pela sua curta dimensão populacional da maioria delas que impossibilita a contratação de técnicos de elevada qualidade. O que me levou a publicar a sugestão de agrupar as Autarquias nos distritos ficando nelas apenas o pessoal indispensável para os contactos com os cidadãos de forma a subir o nível da gestão e diminuir as despesas fixas.

Portanto resumindo: do que nós precisamos é de melhor gestão e não de descentralização.

Como a maioria das pessoas não frequentou cursos de gestão apresento aqui um quadro resumo do que é a gestão, que em tempos utilizei em cursos de gestão eficiente, apenas chamando a atenção do leitor para a atribuições da Chefia (que corresponde aos poderes responsáveis indicados na Constituição) que não são direitos mas deveres e para os princípios fundamentais que não chegam para se atingir a eficiência mas o seu não cumprimento chega para impedir a eficiência desejável.

E já agora para notarem que a gestão é composta por treze funções e só uma é Economia-Finanças que sendo essencial não é única.

Lisboa, 22 de fevereiro de 2018

José Carlos Gonçalves Viana

 

GESTÃO

                 1    Os três pilares da vida humana:   Poder       Sabedoria        Caridade

                 2                   Objetivos              Realização          Resultados

                 3                     Lucros   /   Sobrevivência   /    Ganância

                 4                                              Competência

                      4.1 Posição estratégica                               4.2 Capacidades individuais

                               Dependência hierárquica                       Capacidades humanas, técnicas e experiência

                              Poderes de decisão                                      

                               Informação recebida                                   Atitudes adequadas ou

                                                                   4.3 Princípios essenciais

                                                1º Distinguir o fundamental do acessório

                                                2º O primeiro fator é o pessoal

                                                3º Haver sempre responsáveis

                                               4º Basear-se nos pontos fortes e não nos fracos

                                               5º Tomar decisões efetivas e oportunas

                                               6º Libertar-se de preconceitos e ideias feitas

                                               7º Apontar mais para os resultados que para o trabalho

 

                                                         5 Funções da empresa

                                 5.1 Chefia                                                                                                                        (suas atribuições:executar,decidir,controlar,delegar,comunicar,prever,organizar,motivar,

coordenar,compreender, formar,inovar, arriscar,assumir, servir)                                           

                                5.2 Pessoal

                           5.3 Negócio-oportunidade

                           5.4 Tecnologia

                           5.5 Economia-Finanças

                           5.6 Produção

                           5.7 Comercial: Marketing, Relações Públicas, Distribuição

                           5.8 Jurídica

                          5.9 Segurança global

                          5.10 Aprovisionamento

                          5.11 Ecologia

                          5.12 Política

                          5.13 Ética-Religião

6 Técnicas e conhecimentos ao serviço da gestão (exemplos)

Contabilidade, Informática, Matemáticas aplicadas, Psico-sociologia, Cultura geral, Ciência, Tecnologia, Economia, Finanças, Controlo de gestão, Relações internacionais, Línguas diversas em particular inglês, Etiqueta, Marketing, Fiscalidade, Direito aplicado e geral, Artes plásticas e musical, Literatura, Medicina, Biologia, praticamente tudo.                                                              

 



publicado por JoseViana às 14:05
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
23
24
25
26
27

28
29
30
31


posts recentes

Dois comentários ao OGE p...

A revolução mais importan...

História dos descobriment...

Economia do Mar e Marinha

O grande equívoco dos des...

Descentralização ou gestã...

A revolução mais importan...

Portugal já nem tem marin...

Afinal vai haver grande m...

O Presidente e a grande m...

arquivos

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Abril 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Outubro 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Março 2017

Janeiro 2017

Outubro 2016

Setembro 2016

Junho 2016

Maio 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

blogs SAPO
RSS