Terça-feira, 6 de Fevereiro de 2018
Portugal já nem tem marinheiros?

No último Expresso vinha um artigo intitulado “Economia do mar precisa de 160 mil trabalhadores” de acordo com um estudo realizado pela PWC e também li recentemente que a Armada tem falta de candidatos para os seus quadros de marinheiros.

Será que este problema é recente? Não é.

Para quem está há mais de quarenta anos a lutar pela recuperação da nossa Marinha, com o pouco sucesso que aquelas notícias mostram, a questão é mais profunda pois o desinteresse pelas atividades marítimas verificou-se logo a seguir à revolução de Abril de 74 em parte porque a Marinha Mercante era considerada colonialista porque tinha sido desenvolvida a partir de 1945  baseada no tráfego colonial e a náutica de recreio era considerada fascista porque estava conotada como atividade típica de ricos.

Além disto as condições do enquadramento legal e operacional da nossa Marinha Mercante era de tal forma penalizante que não era minimamente incentivador ao investimento e à operação.

A acrescentar a isto, como a maioria dos nossos historiadores é pouco versada em navegação, na História dos nossos descobrimentos a maioria da nossa população não apreendeu a importância da nossa Marinha (entendendo-se como o conjunto da Armada e das Marinhas de Comércio, de Pescas e de Recreio, esta só recentemente) no desenvolvimento do cidadão português que não existia antes de Afonso Henriques e que só ficou consolidado após D. João I ter iniciado o seu reinado e ter permitido realizar os descobrimentos marítimos que só foram possíveis porque Portugal era o país europeu com a melhor Marinha e o mais desenvolvido conhecimento geográfico e cartográfico.

Mas como falhámos a revolução industrial no século XIX deixámos de ter Marinha de Comércio e quase não tínhamos Armada, quando se deu a guerra de 39-45 tivemos grandes dificuldades no abastecimento de carvão de tal forma que em 45 foi decidido ter marinha de Comércio baseada nas Colónias, mas em 74 já tínhamos linhas como terceira bandeira e o Funchal a fazer cruzeiros na Europa e no  Brasil.

Marinha de Pesca tínhamos a nacional, pois a do bacalhau estava fortemente prejudicada pela estruturação da pesca internacional, a precisar de ser reformulada com vista à futura entrada na CE o que acabou por nunca ter sido realizado por razões pouco claras o que prejudicou fortemente este setor.

Até à década de 50 havia muitas embarcações no Tejo, por exemplo, pois as populações ribeirinhas particularmente na margem sul não tinham outro meio de deslocação e assim haveria mais de 35000 pequenas embarcações além das maiores que ligavam os navios de carga aos cais e entre estes. Com a construção das pontes e das estradas desapareceram quase todas pois veio ao de cima que eram usadas por necessidade e não por recreio.

Entretanto foram construídas algumas marinas o que foi excelente mas o custo da sua utilização não pode ser baixo e portanto como em toda a zona de Lisboa não há quaisquer facilidades para quem tenha menos posses poder praticar náutica de recreio, a maioria dos nossos jovens não tem vivência nestas atividades. Aliás basta olhar para o vazio do nosso mar da Palha para se perceber a tolice dos nossos responsáveis por esta situação e que são vários, pois entre nós nunca há um único responsável seja pelo que for pois assim às vezes quando tudo calha bem lá sai uma medalha mas quando calha mal nada acontece.

Aliás também o Sotavento Algarvio que tem enorme potencial náutico de recreio nunca se desenvolveu porque as decisões são tomadas no Barlavento onde quem manda não quer concorrência.

E note-se que recreio não é apenas passear ao domingo mas tem elevada capacidade de produzir riqueza em turismo de alto valor acrescentado como é exemplo a Flórida mas que os nossos responsáveis pelo Turismo parece ainda não conhecerem.

Assim com este panorama de desinteresse transversal e generalizado pela Marinha como ficar espantado com a falta de candidatos a marinheiro?

Lisboa, 06 de fevereiro de 2018

José Carlos Gonçalves Viana



publicado por JoseViana às 11:05
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Fevereiro 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
28


posts recentes

Descentralização ou gestã...

A revolução mais importan...

Portugal já nem tem marin...

Afinal vai haver grande m...

O Presidente e a grande m...

Afinal o que é a Marinha ...

2017-10-19. Um desabafo t...

A Catalunha e uma confusã...

A austeridade e as confus...

Turismo: atividade económ...

arquivos

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Outubro 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Março 2017

Janeiro 2017

Outubro 2016

Setembro 2016

Junho 2016

Maio 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Contador de Visitas
blogs SAPO
RSS